SAC: 0800 645 0022

Rio – Mais de 80 mil visitantes ao longo de três dias de evento, cerca de R$ 105 milhões gerados em negócios e toneladas de músculos desfilando pelo Riocentro deram o tom ao Arnold Classic Brasil 2015. A principal feira do setor de fitness, esportes e saúde da América Latina – que não por acaso leva o nome da lenda do fisiculturismo e ator Arnold Schwarzenegger – chegou ao fim no último domingo com finais de torneios esportivos e aumento registrado de 15% em relação à edição 2014. E o impacto do evento não se restringiu aos dólares em negociações deixados no Brasil. Apesar dos engarrafamentos causados no entorno e transtornos para alguns vizinhos dos pavilhões, a edição de 2016 já está confirmada pela organização.

O público que lá esteve, é claro, comemora. Lojistas e consumidores finais puderam, ao longo de três dias, estar próximos dos principais ídolos do esporte e experimentar os principais lançamentos mundiais do setor. Contudo, não teve para ninguém. O momento de maior furor ficou por conta do ‘dono da festa’. A cada aparição, Arnold Schwarzenegger arrastava a multidão e fazia lembrar que ainda era o ‘Exterminador do Futuro’. Ele próprio entregou troféus aos vencedores das competições esportivas e visitou stands de marcas nacionais e internacionais.

‘Disputados à foice’ pelos distribuidores, boa parte dos espaços para a edição do próximo ano já está reservada. O espaço, democrático o suficiente para abrigar gigantes internacionais do setor e empresas debutantes brasileiras, por vezes, parecia duelar pela atenção dos visitantes. Shows pirotécnicos, música alta e atletas patrocinados distribuiam camisetas, brindes e amostras exclusivas de suplementos. Os números da festa, obviamente, eram superlativos. Esperando receber até 50 mil pessoas em seu stand, a Integralmédica preparou mais de 30 mil kits para os fãs da marca, enquanto a Midway distribuiu gratuitamente mais de 5 mil amostras de Creatina. Já a New Millen investiu em competições por brindes e fotos com atletas patrocinados. O investimento milionário, de acordo com os gestores, tem retorno através da exposição e fidelização dos clientes. “Não estamos apenas distribuindo produtos, estamos proporcionando uma experiência para o consumidor final. Ele se identifica com o estilo de vida, a ideologia da marca. Este sentimento de credibilidade é fundamental para quem pensa em bem-estar e saúde”, explicou o diretor industrial da Midway, Júlio Colle.

Na memória dos frequentadores, também, ficará a megalomania das instalações. No espaço da Black Skull, competições esportivas eram premiadas com suplementos e a música alta não deixava dúvidas: a empresa acabara de fechar uma parceria com o Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar (Bope). Um caveirão – veículo blindado, usado durante incursões policiais – dava boas vindas ao público. Ao lado da Probíotica – que investiu em 360 metros quadrados de área -, este foi o stand mais visitado. As filas, é claro, se perdiam nas vistas dos organizadores. Nem sempre era fácil circular pelos corredores do evento.

Sucesso comparável ao da distribuição de brindes, mesmo, só com as inovações nutricionais. Foi-se o tempo em que o cardápio de um bom marombeiro se resumia a claras de ovos com batata doce. Para dar mais sabor à uma vida restrita às barras e anilhas, a Max Nutrition oferecia uma Linha Gourmet completa. Sorvete proteico servido aos montes e a batata doce em pó acompanhavam panquecas fit, também oferecidas à degustação. Já a G-Action, marca debutante na feira, propunha o estilo de vida em todos os momentos da vida, Inclusive naquela reunião de negócios. Seu capuccino à base de whey protein, servido em máquinas expressas, foi desejo dos apaixonados pela bebida. “As pessoas, assim como a G-Action, fazem do bem estar uma filosofia de vida. A proposta é estender esses momentos”, garantiu a diretora da marca, Hevana Kosiak.

Lojistas de todo o Brasil

A profusão de sotaques nacionais e estrangeiros, bem como as cifras que ecoavam pelos corredores, não deixavam dúvidas: apesar de angarear grande público, tratava-se de uma feira de negócios. E não qualquer feira. O mercado fitness – que movimenta mais de 40 bilhões de dólares por ano, ao redor do globo terrestre – tinha o seu momento áureo no ano no Brasil, o segundo mercador mundial do setor, somente atrás dos Estados Unidos. E se os corpos esculturais já viam o local como uma espécie de ‘Meca’, o que dizer dos empresários? “É a nossa quarta participação na feira e esperamos aumento de até 30% para o próximo ano. Temos esforços voltados para os lojistas e certamente teremos aumento de produtividade. A visibilidade desta feira é ímpar”, sentenciou o diretor industrial da Max Nutrition, Alberto Moretto.

No andar de cima da festa, verdadeiros salões de negócios foram armados. Em busca de condições especiais de compra, centenas de investidores em nada faziam lembrar a dita crise financeira. O fervor lá de baixo não deixava dúvidas de que o retorno era certo. Remessas e mais remessas de produtos devem aportar em solo brasileiro nos próximos meses. Até lá, restará aos fãs do evento – além da saudade, é claro – puxar muito ferro. Afinal, em menos de um ano o Rio de Janeiro voltará a ser a capital mundial da maromba. Entre os dias 1º e 3 de abril de 2016, o Arnold Classic estará de volta.

 

Foto: Pedro Nossol